Vivendo de Acordo com o Código: na China, os Controles da Era Covid Podem Durar Mais Que o Vírus

0
27
Hector Retamal/Agence France-Presse — Getty Images

Texto Traduzido do Jornal the New York Times.                                                     Por Chris Buckley, Vivian Wang e Keith Bradsher
30 de janeiro de 2022

O país instituiu uma ampla gama de controles de alta tecnologia na sociedade como parte de um esforço bem-sucedido para interromper o vírus. As consequências podem perdurar.

Crédito Mark Schiefelbein/Associated Press
A pandemia deu a Xi Jinping, o principal líder da China, um argumento poderoso para aprofundar o alcance do Partido Comunista na vida de 1,4 bilhão de habitantes.

A polícia advertiu Xie Yang, um advogado de direitos humanos, a não ir a Xangai para visitar a mãe de um dissidente. Ele foi para o aeroporto de qualquer maneira.

O aplicativo de código de saúde de seu telefone – um passe digital indicando possível exposição ao coronavírus – estava verde, o que significava que ele poderia viajar. Sua cidade natal, Changsha, não tinha casos de Covid-19 e ele não saía há semanas.

Em seguida, seu aplicativo ficou vermelho, sinalizando-o como de alto risco. A segurança do aeroporto tentou colocá-lo em quarentena, mas ele resistiu. Xie acusou as autoridades de se intrometerem em seu código de saúde para impedi-lo de viajar.

“O Partido Comunista Chinês encontrou o melhor modelo para controlar as pessoas”, disse ele em entrevista por telefone em dezembro. Este mês, a polícia deteve Xie, um crítico do governo, acusando-o de incitar a subversão e provocar problemas.

A pandemia deu a Xi Jinping, o principal líder da China, um argumento poderoso para aprofundar o alcance do Partido Comunista na vida de 1,4 bilhão de cidadãos, preenchendo sua visão do país como um modelo de ordem segura, em contraste com o “caos do mundo”. Oeste.” Nos dois anos desde que as autoridades isolaram a cidade de Wuhan no primeiro bloqueio da pandemia, o governo chinês aprimorou seus poderes para rastrear e encurralar pessoas, apoiado por tecnologia atualizada, exércitos de trabalhadores do bairro e amplo apoio público.

Ng Han Guan/Associated Press
Câmeras de vigilância em Pequim. O governo refinou seus poderes para rastrear pessoas, dando a Xi uma ferramenta poderosa, dizem os críticos, para seguir sua agenda.

Encorajados por seus sucessos em acabar com o Covid, as autoridades chinesas estão voltando sua vigilância aguçada contra outros riscos, incluindo crime, poluição e forças políticas “hostis”. Isso equivale a uma poderosa ferramenta tecnoautoritária para Xi à medida que ele intensifica suas campanhas contra a corrupção e a dissidência.

A base dos controles é o código de saúde. As autoridades locais, trabalhando com empresas de tecnologia, geram um perfil de usuário com base na localização, histórico de viagens, resultados de testes e outros dados de saúde. A cor do código – verde, amarelo ou vermelho – determina se o titular pode entrar em prédios ou espaços públicos. Seu uso é imposto por legiões de funcionários locais com o poder de colocar em quarentena os moradores ou restringir seus movimentos.

Esses controles são fundamentais para o objetivo da China de erradicar o vírus inteiramente dentro de suas fronteiras – uma estratégia na qual o partido apostou sua credibilidade apesar do surgimento de variantes altamente contagiosas. Após os erros iniciais da China ao permitir que o coronavírus se espalhe, sua abordagem “zero Covid” ajudou a manter as infecções baixas, enquanto o número de mortos continua a crescer nos Estados Unidos e em outros lugares. Mas as autoridades chinesas às vezes foram severas, isolando crianças pequenas de seus pais ou prendendo pessoas que teriam violado as regras de contenção.

As autoridades da cidade não responderam a perguntas sobre as afirmações de Xie, o advogado. Embora seja difícil saber o que acontece em casos individuais, o próprio governo sinalizou que deseja usar essas tecnologias de outras maneiras.

As autoridades usaram sistemas de monitoramento de saúde pandêmica para expulsar fugitivos. Alguns fugitivos foram rastreados por seus códigos de saúde. Outros que evitaram os aplicativos acharam a vida tão difícil que se renderam.

Kevin Frayer/Getty Images
Testes de Covid em janeiro em Pequim. As autoridades estão em alerta máximo para conter a propagação do coronavírus antes dos Jogos Olímpicos de Inverno.

Apesar de toda a sua sofisticação externa, porém, o sistema de vigilância da China continua sendo intensivo em mão de obra. E embora o público geralmente tenha apoiado as intrusões de Pequim durante a pandemia, as preocupações com a privacidade estão crescendo.

“Os controles de pandemia da China realmente produziram ótimos resultados, porque podem monitorar cada indivíduo”, disse Mei Haoyu, 24, funcionária de um hospital odontológico em Hangzhou, uma cidade no leste da China, que trabalhou como voluntária no início da pandemia. .

“Mas se depois que a pandemia terminar, esses meios ainda estiverem disponíveis para o governo”, acrescentou, “isso é um grande risco para as pessoas comuns”.

TRADUZIDO por Lucas Eller, Nova York