POLITICA: Opinião no The New York Times sobre Cuba

0
15

O DIA EM QUE OS CUBANOS PERDERAM O MEDO

Os cubanos saíram às ruas inesperadamente no domingo. Dezenas de milhares cantavam por liberdade e comida. É difícil imaginar um diagnóstico mais sucinto do problema da ditadura mais antiga da América Latina.

Por mais de seis décadas, o regime cubano negou a seu povo os blocos básicos de construção do espírito e corpo humano. Claro, o embargo dos EUA que está em vigor há quase tanto tempo não ajuda. As restrições governamentais ao minúsculo setor privado prejudicam ainda mais os cubanos. As empresas, incluindo mercearias e restaurantes, estão proibidas de contrair empréstimos bancários ou realizar transações comerciais. Os alimentos sempre foram racionados e, agora, com a pandemia, as restrições são ainda mais rígidas.

Embora as reclamações não sejam novas, havia algo novo sobre as manifestações de domingo: sua propagação.

Os protestos estouraram em massa, de forma espontânea, em todo o país, inclusive em cidades rurais.

No passado, os protestos se limitavam a pequenos grupos, principalmente na capital, Havana. Os cubanos comuns, mesmo aqueles que estavam com raiva, sabiam que não deveriam se aproximar muito dos manifestantes – física ou politicamente. Qualquer expressão de solidariedade com qualquer forma de dissidência é muito arriscada. Perder o emprego é comum. Ser preso é típico.

No domingo, porém, parecia que esse “medo coletivo de ingressar” havia desaparecido. A solidariedade superou a mentalidade de defesa pessoal de Cuba.

O governo respondeu como fez com protestos anteriores, com um apelo à “batalha”. O presidente, Miguel Díaz-Canel, enviou forças de segurança para reprimir os protestos. Ele também apelou aos cidadãos comunistas para “defenderem” a revolução.

A coisa mais próxima dos protestos de domingo que Cuba experimentou no passado recente foi o “Maleconazo” de 1994, quando centenas de cubanos se reuniram na famosa esplanada à beira-mar de Havana, o Malecón, para protestar contra a depressão econômica conhecida como o “período especial”.

Os gatilhos por trás dos dois protestos são semelhantes. Hoje, como em 1994, Cuba está sofrendo por causa da turbulência em seu principal financiador e fornecedor de petróleo – a então antiga União Soviética; Venezuela desde 2016. As falhas de energia são tão comuns hoje quanto no início dos anos 1990. Hoje, como em 1994, o país sofreu uma contração econômica de cinco anos.

Além disso, um ano antes do Maleconazo, o estado cubano anunciou reformas orientadas para o mercado que eram muito limitadas, de modo que a maioria dos cubanos não poderia se beneficiar delas. No início de 2021, o regime cubano introduziu mudanças adicionais – e mais uma vez, eles foram muito tímidos e beneficiaram apenas cubanos bem relacionados. A esta altura, os cubanos sabem que essas medidas significam que alguns privilegiados ganharão dinheiro, enquanto o restante não receberá nada.

Mas os protestos de domingo aconteceram em uma Cuba muito diferente da Cuba dos anos 1990. Telefones celulares e Wi-Fi já estão disponíveis. Os cubanos puderam compartilhar em tempo real as manifestações que eclodiram em todo o país.

O primeiro protesto eclodiu na cidade de San Antonio de los Baños, perto de Havana. Os manifestantes postaram vídeos no Facebook Live, incluindo clipes de como as forças de segurança estavam tentando conter as manifestações. Foi quando os protestos explodiram em vilas e cidades em toda a ilha. Os cubanos comuns, muitos dos quais tendem a ser apolíticos, aparentemente decidiram aderir.

O governo não conseguiu bloquear os vídeos no Facebook Live, então bloqueou o acesso a sites de mídia social. Mesmo assim, os protestos continuam.

Outra diferença é a pandemia. Em Cuba, o surto de coronavírus desmascarou a decadência do sistema público de saúde, com poucos leitos hospitalares e muitos médicos no exterior, muitas vezes contra sua vontade, trabalhando para as missões médicas do estado. Cerca de 26,4 por cento da população foi vacinada.

Os cubanos também podem estar se sentindo mais corajosos agora que os temidos irmãos Castro se foram: Fidel Castro morreu em 2016 e seu irmão Raúl se aposentou totalmente dos cargos de liderança em abril. Ou talvez, os riscos ainda sejam os mesmos, mas os cubanos estão se sentindo um pouco mais encorajados.

Eles também podem estar se inspirando na América Latina, onde os protestos explodiram desde 2019. Mais perto de casa, o Movimento San Isidro, um grupo de artistas com forte representação afro-descendente, vem protestando desde o final do ano passado contra a repressão do estado contra liberdades artísticas.

Esse movimento deu origem a uma canção de hip-hop cubano chamada “Patria y Vida”, ou “Homeland and Life”, uma brincadeira com o slogan de Fidel Castro “Homeland or Death”. Com mais de quatro milhões de visualizações no YouTube, a música surgiu como o grito de guerra das manifestações, não apenas em Cuba, mas em toda a América Latina e na Espanha e nos Estados Unidos. Quer a inspiração seja internacional ou local, há uma nova coragem e esperança no ar.

O regime está em perigo? Dificilmente. O governo aperfeiçoou, e de fato exportou, a arte da repressão comunista com grande efeito. É uma combinação de forças de segurança de modelo soviético, comitês de vigilantes de bairro e bandidos patrocinados pelo governo disfarçados de civis.

Os protestos de domingo, no entanto, podem ser um ponto de viragem. No passado, o regime precisava apenas aplicar repressão cirurgicamente. O medo era generalizado e mantinha todos em casa.

Mas, como tantos cubanos gritaram no domingo, “Não temos mais medo”.

É muito cedo para dizer o que acontecerá a seguir. Mais prisões e intimidações provavelmente ocorrerão nos próximos dias, e a energia dos protestos pode se dissipar.

Ainda assim, os manifestantes falaram alto e bom som. Com mais liberdade, eles podem construir uma nação mais forte; com mais comida, eles podem sobreviver e levar uma vida mais saudável. “Patria y vida”, é tudo o que eles querem.

TRADUÇAO DE Lucas Eller

O Times está empenhado em publicar uma diversidade de cartas ao editor. Gostaríamos de saber sua opinião sobre este ou qualquer um de nossos artigos. Aqui estão algumas dicas. E aqui está nosso e-mail: letters@nytimes.com.

Dr. Corrales é um cientista político que estudou as revoluções latino-americanas por mais de duas décadas.