Crítica do Filme “Selma,” com a Grandiosa Oprah Winfrey (2014)

0
31

Acho surpreendente que, apesar do interesse por seu roteiro em nome de nomes do calibre de Micheal Mann, Stephen Frears, Paul Haggis, Lee Daniels e Spike Lee, tenha levado anos de perseverança para realmente se produzir “Selma”. E é uma conquista importante sob muitos pontos de vista para uma cineasta afro-americana – Ava DuVernay – que antes era publicitária e dirigiu apenas dois filmes independentes para ser a autora deste. No entanto, todas as premissas incríveis e o trabalho árduo que levou “Selma” apenas contribuíram para adicionar fascínio e respeito ao resultado desse esforço cinematográfico, que é uma peça de cinema de alta qualidade que engloba arte, consciência, ponto de vista e narrativa com firme clareza e visão artística, independentemente de suas premissas.
.
Também é uma tarefa extremamente intimidante pensar em uma maneira de englobar a vida, as conquistas e a relevância do Dr. Martin Luther King Jr. e o movimento e os valores pelos quais ele lutou, em apenas um filme; o roteirista inglês Paul Webb e a diretora Ava DuVernay (que reescreveu o roteiro para representar totalmente sua pesquisa e visão) contam-nos a história dos meses entre a aceitação do Prêmio Nobel do Dr. King, em dezembro de 1964, e a marcha de Montgomery, de 21 a 25 de março de 1965. Dentre esses estão alguns dos momentos mais intensos, significativos e cruciais do movimento dos direitos civis afro-americanos e da história dos Estados Unidos, lindamente capturados pelo diretor de fotografia Bradford Young. Embora a lei dos Direitos Civis tenha sido aprovada no Congresso, acabando com a segregação legalizada, a grande maioria dos cidadãos afro-americanos continua incapaz de exercer seus direitos e se registrar para votar devido ao abuso de poder perpetrado por burocratas fanáticos, muitas vezes resultando em abusos e / ou violência, como acontece com Annie Lee Cooper, belamente retratada por Oprah Winfrey. Isto é especialmente gritante na cidade de Selma, Alabama, uma cidade “normal” do Sul, extremamente perigosa para homens e mulheres negros sobreviverem, e onde a lista de votos era de 99% contra 1% de negros, apesar de a população negra superar a de brancos.
.
Tim Roth consegue capturar o desinteresse do governador George Wallace e a tentativa deliberada de eclipsar a questão com sarcasmo e dissimulação. O exposto faz de Selma o teatro ideal para o Dr. King conduzir seu pedido corajoso e pacífico de justiça social, desta vez, na forma de uma marcha (ou melhor, marchas, já que a primeira foi violentamente reprimida, e a segunda teve que voltar atrás para evitar violência semelhante) de Selma a Montgomery, para solicitar o direito de voto. O ator inglês David Oyelowo retrata Dr. King com camadas, profundidade, nuance e um toque pessoal, conseguindo englobar a cadência, o carisma, a inteligência e a luta deste homem incrível.
.
Os esforços do movimento pelos direitos civis junto com a Conferência de Liderança Cristã do Sul resultaram no ato de direitos de voto de 1965, assinado por Lyndon B. Johnson, que é habilmente retratado por outro habilidoso ator inglês, Tom Wilkinson, que consegue entregar um , retrato honesto e rico do presidente. DuVernay demonstra ainda mais a inteligência, o poder e a clareza de sua compreensão e visão envolvendo o filme na trilha sonora mínima de Jason Morans, junto com alguns espirituais clássicos e uma bela e profunda canção de John Legends e Commons: “Glory”.
.
Uma das características mais notáveis ​​em Selma é sua devoção implacável à verdade e exatidão factual. O filme nunca se reduz a ser apenas um manifesto, bio-imagem ou grito de guerra, mas mantém sempre um equilíbrio admirável. Surpreendente que a Academia nem mesmo nomeou os atores ou o diretor deste filme, dando apenas dois acenos, para melhor filme e melhor música, mas, novamente, não deve ser fácil ver outro grande filme sobre a história americana sendo feito, obrigado à habilidade e ao financiamento de profissionais do cinema inglês (com exceção de Ava DuVernay, Oprah Winfrey e Brad Pitt, que produziram).

Crítica Cinematográfica por Lorenzo Pozzan

Tradução por Lucas Eller