BUSCA POR JORNALISTA E ESPECIALISTA NA AMAZONIA VIRA INVESTIGACAO DE HOMICIDIO

0
21

(Traduzido do Jornal The New York Times)

A polícia prendeu um segundo suspeito depois que Dom Phillips, jornalista britânico, e Bruno Araújo Pereira, especialista brasileiro em povos indígenas, desapareceram.

 

Por André Spigariol, Ana Ionova e Jack Nicas
14 de junho de 2022

RIO DE JANEIRO – As autoridades brasileiras disseram nesta terça-feira que prenderam um segundo homem no desaparecimento de um jornalista britânico e um especialista brasileiro em povos indígenas nas profundezas da Amazônia, confirmando que seus esforços estão mudando de uma operação de busca e resgate para uma investigação de homicídio.

A Polícia Federal brasileira disse que prendeu Oseney da Costa de Oliveira, irmão de um pescador que foi detido na semana passada. Testemunhas viram o Sr. de Oliveira e seu irmão, Amarildo da Costa de Oliveira, em um barco logo atrás dos homens desaparecidos pouco antes de serem vistos pela última vez em um rio remoto há mais de uma semana, de acordo com documentos investigativos vistos pelo The New York Times . A polícia disse que ambos os suspeitos estavam sendo detidos em uma investigação de assassinato, mas eles não foram acusados.

Os desaparecidos – Dom Phillips, 57, redator freelancer do jornal britânico The Guardian, e Bruno Araújo Pereira, 41, especialista que trabalhou extensivamente na região – foram vistos pela última vez em 5 de junho enquanto viajavam de barco pelo Itaquaí. Rio no estado do Amazonas, no norte do Brasil, próximo à fronteira com Peru e Colômbia. O Sr. Phillips estava relatando as equipes de patrulha que o Sr. Pereira ajudou a criar para reprimir a pesca e a caça ilegal, uma iniciativa que levou a ameaças contra o Sr. Pereira.

Seu desaparecimento paralisou o Brasil, atraiu equipes de busca de grupos militares e indígenas para vasculhar uma seção remota da floresta tropical e forçou o presidente Jair Bolsonaro a defender a resposta de seu governo diante de outros líderes mundiais em uma cúpula internacional em Los Angeles na semana passada.

Na segunda-feira, a Univaja, uma associação indígena local que trabalhou com Pereira e ajudou a organizar as operações de busca, disse que essas buscas terminariam em breve. Essa notícia, juntamente com a confirmação da polícia de uma investigação de assassinato, ressaltou que o caso não estava mais focado em encontrar o Sr. Phillips e o Sr. Pereira vivos, mas sim em descobrir quem pode tê-los matado.

“As chances de serem encontrados vivos agora são praticamente zero”, disse Manuel Chorimpa Marubo, um líder indígena local que auxiliou nas buscas com a Univaja. “A esperança agora é encontrar os corpos.”

Na terça-feira, a Polícia Federal do Brasil enviou um relatório ao Supremo Tribunal do país resumindo suas evidências. Na reportagem, que foi vista pelo The Times, a polícia disse que logo após um morador local ter visto o Sr. Phillips e o Sr. Pereira na manhã de 5 de junho, a testemunha viu Oseney da Costa de Oliveira remando um pequeno barco no rio . A testemunha então ajudou a rebocar o Sr. de Oliveira para outro barco, onde seu irmão, Amarildo, estava esperando.

No dia anterior, disse Univaja, Amarildo havia ameaçado um grupo que incluía Phillips e Pereira, mostrando-lhes uma arma. A polícia federal disse no relatório na terça-feira que Amarildo já havia ameaçado Pereira e havia disparado uma arma contra o prédio de uma agência governamental encarregada de proteger grupos indígenas, segundo o relatório. A polícia disse que está testando o sangue encontrado no barco de Amarildo.

As autoridades brasileiras disseram no domingo que itens pertencentes a Phillips e Pereira, incluindo roupas e uma mochila, foram encontrados na área onde eles desapareceram. Eles disseram que também encontraram “matéria orgânica aparentemente humana” perto de onde os homens foram vistos pela última vez e estavam testando o DNA. A matéria orgânica é um estômago humano, disse o relatório da polícia federal visto pelo The Times.

A atividade ilegal na região, que inclui uma reserva indígena aproximadamente do tamanho do Maine, floresceu nos últimos anos, à medida que as autoridades do governo recuaram, disseram funcionários da Univaja. Bolsonaro, um defensor descarado do desenvolvimento da Amazônia, desmantelou as proteções ambientais e cortou os orçamentos das agências responsáveis ​​pelo policiamento da floresta.

(Jack Nicas é o chefe da sucursal do Brasil, cobrindo Brasil, Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai. Ele relatou anteriormente sobre tecnologia de São Francisco e, antes de ingressar no The Times em 2018, passou sete anos no The Wall Street Journal.)

TRADUZIDO POR LUCAS ELLER